Temer na cadeia Aécio na cadeia

Temer na cadeia Aécio na cadeia
Copiem e colem em seus perfis

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

TEMPESTADE


TEMPESTADE

Todas as minhas palavras foram distorcidas, retorcidas, mastigadas, incompreendidas.

Isso é poesia ou a vida que é mesmo ingrata?

Poderia haver vida em outros versos, pelo inverso desse universo diverso, por que tudo deriva da antítese matéria-vácuo?

Se os poetas fossem loucos o mundo seria normal?

Todas as idéias mais caras foram esquecidas, rebatidas, mal-interpretadas.

Será mesmo que isso importa?

As melhores coisas da vida estão distantes ou isso é só ilusão?

Desequilibrei tantas vezes na corda bamba, mas sempre caio no samba em todo carnaval.

Se todos procuram um par por instinto por que as melhores idéias se aquecem, fermentam e borbulham na frialdade da mais completa solidão?

Procuro retidão mas me perco em suas curvas.

Olho para o horizonte mais longínquo e não consigo fugir do labirinto enigmático dos seus olhos radiantes.

Parece próxima longe e longe próxima.

Não sei mais se quero prisão ou liberdade, mesmo sabendo que ninguém de fato é livre.

Será que já fui um pensador ou um simples passavante avante em paços desérticos, incertos, de parcos passos sem prima-donna nessa orquestra sem fim?

O céu pelo qual me empenho estará disposto a se abrir ou a tempestade inundará mais ainda esse naufrágio?

Tudo um dia foi frágil. A força não existe em definitivo, por si, é uma mera obra em transição molecular.

a melhor obra-prima não superará a naturalidade da imperfeição que se auto-transforma em valquírias belas sem nenhum Designer invisível, facínora, fascista, onipotente-ciente-presente daquilo que jamais controlaria.

Esta noite assisti, na grande Ragnarok, à morte de Odin, Dion e Théo, nos negros campos do Valhala.

Se o universo fosse criado por Lugh tudo seria poesia?

O olhar de uma guria pararia o mundo?

ATEU POETA
Pacoti-CE
07/02/2011
19 horas