Temer na cadeia Aécio na cadeia

Temer na cadeia Aécio na cadeia
Copiem e colem em seus perfis

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

VIL COVIL


O poder faz da verdade um dégradé.
Cria alcunhas mil quando teme o tête-à-tête.
A força da prata ultrapassa o direito da massa
Por que a História se repete
Mentira, clichê e démodé já não são palavras novas no covil
Em discurso sofista e voraz  
Com graças de encanto
O abutre domina feroz
Rege com a falsa bondade
Sem o mais sutil acalanto
Afunda a balsa que inova
O medo é uma arma eficaz
Áureo ás na manga do algoz
Ateia guerra ao que aprimora a voz
Dança com o terror uma valsa
Comina grades fortes à liberdade
Prega humildade enquanto é vil
Transforma lobos em ovelhas
Chama idiossincrasias de razão
Faz lavagem-cerebral em suas orelhas
Faz nonsense do bom senso
Instaura cavernas de Platão
Se diz democrata
Com hipocrisia que mata
Destrói a cidade e a mata
E corrói seu coração

ATEU POETA