Temer na cadeia Aécio na cadeia

Temer na cadeia Aécio na cadeia
Copiem e colem em seus perfis

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

MUSA DO NATAL


MUSA DO NATAL

-Musa do natal
-Qual o portal para o teu coração?
-Faz de mim ritual
-O pedestal para a tua paixão

-Fogo que te queima
-A centelha da tua vida
-Quero explorar as minas dos teus filamentos
-Deflorar-te os pensamentos

-Acolher-te os tormentos
-Ser ator do instante mais feliz
-Seja a atriz dessa peça aquarela
-Na imensidão de um momento

-Que teu regaço seja
 A minha fortaleza, guarida e canção

ATEU POETA
O HISTORIADOR DE PACOTI
25/12/2012

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

FELIZ SOLSTÍCIO DE INVERNO


FELIZ SOLSTÍCIO INVERNO
(Natali Solis Invictu)

Câmara Municipal de Pacoti está de parabéns pelas homenagens aos seus cidadãos ilustres, pela ampliação, o cuidado que tomará com o seu arquivo e por manter o jornalzinho informativo que já existia.

Mas, sendo eu o 1º homem HISTORIADOR de Pacoti e Idealizador e Criador do 1º Arquivo Público do Interior do Nordeste; o Arquivo Municipal José Audísio de Sousa,  tenho que desfazer o pequeno equívoco impresso no jornalzinho da Câmara de Pacoti. 

Nós não temos mais Arquivo Público em Pacoti, por que fora fechado em 2010. Eu mesmo noticiei isto, mas, é uma boa deixa para que os vereadores o reabram, uma vez que este arquivo fez Pacoti ganhar repercussão nacional por ser um feito reconhecido em Brasília e por ainda servir de inspiração para que outras cidades do Interior do Nordeste tenham criado seus próprios Arquivos Públicos e para que o próprio Governo do Estado do Ceará tenha prometido abrir 20 Arquivos Públicos pelo interior, com um sistema de Arquivos Públicos ainda por vir.

Pois bem, que o Arquivo Público de Pacoti seja restaurado. Esse é o pedido de Natal e Ano Novo desse HISTORIADOR de Pacoti, filho da outra única e primeira HISTORIADORA de Pacoti, a qual foi homenageada ontem por ser a primeira Mulher Escritora de Pacoti; Rosimar Brito, que, por sinal, também me ajudou a elaborar o projeto de lei que defendi na Câmara Municipal de Pacoti, que fora aprovado por todos os vereadores na época.

Um bom Natal e um próspero Ano Novo. Um feliz solstício de Inverno!

Aproveito aqui também o ensejo para parabenizar a Prefeitura por trazer cantor de tão grande voz da Orquestra Filarmônica do Ceará juntamente com a Orquestra Filarmônica de Crianças do Ceará situada em Redenção através de uma associação cultural que ensina 45 crianças. Parabéns também ao Município de Redenção pelo belo trabalho.

Como diria o ilustre Arthur da Távola: "Música é vida interior. E quem tem vida interior, jamais padecerá de solidão.

AROLDO FILHO
(Amadeu Nuvem/Ateu Poeta)
O HISTORIADOR DE PACOTI
HISTORIADOR, Poeta, Blogueiro, Professor e Jornalista Independente
Presidente e Criador do Jornal Delfos-CE
Criador do 1º Arquivo Público do Interior do Nordeste
SÓCIO DO INSTITUTO DESENVOLVER
Pacoti-Ceará-21/12/2012

domingo, 16 de dezembro de 2012

SONETO PARA INGLÊS VER



SONETO PRA INGLÊS VER

Knockout, Logout, Blackout, Know-how
Em que lugar nasceu o sol?
É tudo blues no arrebol? 
Causa sine qua non um téte-a-téte

Não terá close-up em Oklahoma
Never in stand by, ninguém trará o sal
Forever very much hot, my baby
A minha neve é mais branca que a sua

O poeta não pode ter a lua, mas canta a língua
De um país já esquecido, enfant-gaté
Que desconhece suas tribos pelas ruas à míngua
Renega a própria tropa em abril

Para se espelhar no pirata da Europa
Que ancora, faz morada, leva prata e traz fuzil

ATEU POETA
O HISTORIADOR DE PACOTI
17/12/2012

CLAVE DE SOL


CLAVE DE SOL

Violas, violetas e violinos
Arco-íris de colibris em flores 
Aresta do retrô enfeita em festa 
Quem dera ser trovador

Nos meus sonhos de menino
Uma clave de sol  acorda sem dó 
Um vagabundo no metrô
A poesia do dia a dia me traz de volta o ar

Devolve a solidez ao mundo
Transforma lamentos em acalanto
Encanta o canto mais profundo
Devora dor e tormento

Abre as janelas do meu pensamento
Faz da minha solidão o seu lar

ATEU POETA
O HISTORIADOR DE PACOTI
17/12/2012

domingo, 9 de dezembro de 2012

ÁCIDO



ÁCIDO

Apesar da juventude ácida
Queremos imortalidade
Glória e irmandade nas andanças
Com raça de quem não se acanha

Poesia é alimento das entranhas
Nesse peito aberto e sem alento
Coração sem alma e desatento
Atento a mente para as tentações

Estaremos unidos em outras estações
Fascinações e sinas
A caneta dorme em cada esquina
Nas mãos dos analfabetos nos sinais

Será sinal dos fins dos tempos?
Ou são meros rituais?

ATEU POETA
O HISTORIADOR DE PACOTI
09/12/2012

sábado, 8 de dezembro de 2012

O FIM DO MUNDO


O FIM DO MUNDO

Todo dia é o fim do mundo
A cada três segundos 
Uma pessoa morre
De fome

Sem nome ou lar
Miséria total
À margem do sistema
Antes de ser cidadão

Ecossistema da corrupção
A nação defraudar
Quando se aprende a roubar desde as fraldas
O caminho é ser a voz da razão

Onde todos têm um preço
E apreço à manipulação

ATEU POETA
08/12/2012

SUBVERSIVO


SUBVERSIVO

Sempre haverá um subversivo
E será você
No crivo de alguém
No subjuntivo

Judas e Matusalém
Pedro, que três vezes nega
Afunda, pois é pedra
Seu peito é prisão

Nós somos o sistema que queremos derrubar
E todos cairemos
Somos os lobos do mundo
E a morte um leão voraz e profundo

Bobos Saulos cegos a lutar
Bóbus, em um ego salutar

ATEU POETA
07/12/2012

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

A BAILARINA



 A BAILARINA

-Só tu sabes as dores que o belo traz
-Um dançante por trás te levantas
-Doce elo com o ar 
-A tua estrela a brilhar

-Sem às na manga
-Sobrevoas e encantas
-Acalantas a platéia 
-Capaz de enobrecer alcateias

-Aplausos clamam por mais
-Rodopios, giros e saltos
-Ninguém sabe da tua garganta
-O grito suprimido

-Os calos que calas para aperfeiçoar a arte
-Faz parte o bem atuar

ATEU POETA
O HISTORIADOR DE PACOTI
05/12/2012

ILUSÃO DE SER LIVRE

http://jornalherege.blogspot.com.br/2012/12/ilusao-de-ser-livres.html



segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

EGO FUGAZ


EGO FUGAZ

-Quando pensei que tudo sabia
-Abateu-me um profundo vazio
-Os enigmas do mundo
-É que formam meu brio

-Tropecei, daí, na tristeza
-Artista sem vocação
-Descobri que nada faz sentido
-A poesia aqui jaz

-Darwin me devolveu o estampido
-Big-bang da novidade
-Webster fez claridade 
-No pesamento interrompido

-Damásio completou a fonte
-Foi ponte para o ego fugaz 

ATEU POETA
O HISTORIADOR DE PACOTI
3/12/2012

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

SER


VIDA CRUA


VIDA CRUA 

-A necessidade molda o mundo e a visão
-Muda sonhos profundos
-Solapa e cria adversidades
-Constrói e mata amizades

-Trabalho vira distração
-Fascinação explode em lá menor
-A mente encrua ou transborda
-Tosta a vida crua

-Salga ou adoça a água
-Alga vira amálgama
-Sábio pira
-Loucura cura

-Secura se faz mar
-Da miséria à usura 

ATEU POETA
22/11/2012

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

O MACIÇO DE BATURITÉ PRECISA DE MAIOR POLICIAMENTO URGENTE




O MACIÇO DE BATURITÉ PRECISA DE MAIOR POLICIAMENTO URGENTE

O maciço de Baturité precisa urgentemente de reforço policial por que do modo que vem ocorrendo tantos assaltos, a tendência é a situação piorar.Quanto mais o bandido encontrar facilidade de assaltar e fugir ileso mais a bandidagem vai continuar aumentando.

Parece que os nossos governantes estão mortos; por que não tomam nenhuma atitude!
Até quando essa situação absurda vai continuar?  Assassinato, assalto, roubo de moto, incêndios de carro e florestais, até quando os governantes vão ficar sem fazer nada?

A violência vai virando banal. Como numa marchinha de carnaval, todo mundo dança e finge que tudo vai às mil maravilhas. Precisamos de maior reforço policial se quisermos que o caos não aumente.

Mais policiamento agora! Não podemos deixar que a bandidagem tome conta da nossa terra!

AROLDO FILHO
O HISTORIADOR DE PACOTI
21/11/2012

VÉRITÉ


segunda-feira, 19 de novembro de 2012

ILLUSION LIBÉRATRICE


ILLUSION LIBÉRATRICE

Personne n'est libre
Rien n'est gratuit, ou ne pas exister
Qu'il existe déjà une prison

Il ya toujours quelque chose qui nous nous appuyons sur les mêmes instincts, les facteurs environnementaux, les processus physiques, chimiques et biologiques pour nous dominer

Ce n'est pas, en fait, être libre.

Le plus proche serait une liberté de pensée sans domaine, essayez d'accéder à différentes cultures pour être en mesure de passer à un mode autonome, le plus possible independete. Rien de plus que cela.

Dites libre n'est pas d'avoir la liberté, car elle est la plus belle allégorie de la caverne de Platon. En fait, l'univers est imparfait, et nous, les enfants de tout cela imperfection qui gereou cette évolution prodigieuse des espèces. Quoi qu'il en soit le début de tout ce que dit, le fait est que tout est sujet à l'autre, et il enlève la liberté. Par conséquent, rien n'est gratuit pourquoi c'est toujours l'autre gars.

ATEU POETA
O HISTORIADOR DE PACOTI
19/11/2012

LIBERDADE ILUSÓRIA


Ninguém está livre.
Nada é de livre, ou não existiria.
Existir já é uma prisão.

Mesmo os instintos, fatores ambientais, físicos, químicos e biológicos. Há sempre algo a nos dominar.

Não existe liberdade.
O mais próximo seria a liberdade a nível de pensamento, podendo acessar diferentes culturas para poder mudar para uma independência mais autônoma possível. Nada mais do que isso.

Dizer-se livre não é ser livre, por mais bela que seja a alegoria da caverna de Platão. Na verdade, o mundo é imperfeito, e nós, os filhos dessa imperfeição que essa evolução das espécies gerou. De qualquer modo que tenha sido o começo de tudo, o fato é que tudo está sujeito aos efeitos de impacto com outra coisa, e isso retira a liberdade. Portanto, nada é livre porque é sempre sujeito ao outro.

ATEU POETA
O HISTORIADOR DE PACOTI
19/11/2012

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

AVE DE RAPINA


AVE DE RAPINA

-Quem dera ser
-Na aurora mais soturna
-Um voo de eufemismo 
-Ave de outra era

-Gavião branco a caçar
-Falcão peregrino do ar
-Coruja negra mais noturna
-Fera à solta sem bando

- Rapinar a Baviera
-Sentir o infindo azul nas asas
-No céu estar em casa
-Longos sonhos de menino

-Para a primavera florescer
-Sem mero medo de quimera

ATEU POETA
15/11/2012

terça-feira, 13 de novembro de 2012

ASAS AZUIS

ASAS AZUIS

-Azul 
-Cara cor de querelas
-O blue dos olhos dela
-Lápis lazule dos senhores

-Esplendor de mil bandeiras
-Orgulho de países e hinos
-Tua simples existência
-Faz feliz hirtos ferinos 

-Do céu ao ultramarino
-Quantos por ti morreram?
-Continuas nas safiras
-Diamantes que esmeram

-Dos colibris mais belos
-Às mais raras flores

ATEU POETA
14/11/2012

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

SOBRE O PASSADO



O passado não é para ser esquecido, mas superado. E, para tanto, precisa ser estudado e compreendido; apesar de ser uma projeção do presente, assim como o futuro.

Se você não entende o que acontece, o porquê e o contexto, jamais poderá mudar alguma coisa. Repetirá ações de muitas gerações por ser a cópia exata da estupidez humana.

ATEU POETA
12/11/2012

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

FUNK



FUNK

O que é importante não é charme nem funk
Ou dançar bonito
Mas prender o traficante
Segurança e saúde da favela ao asfalto

É preciso ficha limpa
Da câmara ao planalto
Política não acontece a cada quatro anos
Mas o tempo todo

Por debaixo dos panos
É preciso cortar a reeleição
Dependência partidária e voto de legenda
Fazer a diferença é muito relevante

Tire a venda e seja a revolução
O Brasil não está à venda, lute por educação

ATEU POETA
HISTORIADOR
08/11/2012

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

LÂMINA



LÂMINA

-Sara um golpe 
-Outro mais forte virá
-A resposta deverá equivaler 
-O prenúncio da morte é viver

-Todo samurai cai um dia
-Mas nunca se rende
-A vitória vale mais que a dor
-A glória é filha da guerra

-É fria a lâmina que se herda
-Vermelha no caus da jornada
-A paz é ilusão consagrada
-O instinto da navalha é o corte

-O calor da batalha é seu norte
-Eu sou o brilho da espada

Ateu Poeta
HISTORIADOR
07/11/2012

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

ABISMO


ABISMO

Felicidade é combate
Aniquilar excesso e escassez
Rio perene que não transborda
Prazer é satisfazer o instinto

Soltar a fera de vez
A borda da loucura é a privação
Abala as estruturas da razão
Deságua em constante tristeza

O homem é um animal extinto
Preso em sua própria fortaleza
A incerteza é o caminho
Doce vício de viver

Cruza os braços para o abismo de quem não quer saber
A morte é fomentada pelo terror da mentira

ATEU POETA
01/11/2012

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

DOENÇA



DOENÇA

A verdadeira doença é a ignorância humana
Infinda e sem cura
Ciência sempre foi um canhão
Braço direito da alienação em prol do poder

Chega de heróis!
Todo Heros se corrói
Corrompe
E sai de cena

Mesmo Ayrton em seu s fatal
Não importa qual seja a verdade
Sempre haverá uma mentira maior
Pelo esplendor todos são capazes de tudo

E o fim do mundo
É fundamental

ATEU POETA
29/10/2012

sábado, 27 de outubro de 2012

SENHORA DO CAOS


SENHORA DO CAOS

A vida real não tem trilha sonora
Teus olhos, duas bolas que prendem meu coração
Gaiola das minhas asas
Abrasas sem dar calor

Se esvai em vapor
A pouca razão da minha trajetória 
Fascinação peremptória
História longínqua

À míngua, eis um poeta em solidão
À deriva nesse mar de ilusão
Abraçado à imagem
Perdido, à margem do mundo

À sombra da tua aurora
És senhora do caos profundo

ATEU POETA
27/10/2012

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

AUDAZ



AUDAZ

A desilusão é o único caminho
O labirinto paradoxal não é seguro
Vais em busca de ar puro
O progresso pôs água podre em tua porta

Os moinhos não ventam mais
Nem espada de samurais portas
Por que matar o dragão
Se nenhum Jorge fora capaz?

Sejas tu o teu próprio senhor e capataz
De peito aberto para o deserto que vier
De certo, um ser audaz há de prosperar
Se for eficaz

Dominas cógitos e códigos
Que ganharás o mundo de am passant

Ateu Poeta
Pacoti-Ceará
24/10/2012

domingo, 21 de outubro de 2012

SERVO



SERVO

Temporal atemporal de anacronismo
Eufemismo de fusão fractal
Puro criacionismo digital
Aforismo industrial 

Duro evolucionismo na Royal Society
Socialite só vê a moda
Muda, enquanto o mundo muda
Conhecimento é semente, não muda

Não se pode plantar por inteiro
Há de ser triturado, mastigado e cuspido
Execrado o que não serve
A verdade não é nenhuma verve do Corão

Nem está no coração da lavagem-cerebral
O bom servo não a conserva

ATEU POETA
21/10/2012

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

ETERNO APRENDIZ



ETERNO APRENDIZ

O passado nos prende
O presente nos surpreende
Pouco se depreende
É preciso muito esquecer

Para que o amanhã seja possível
Dentro do que se pretende
Antes do alvorecer
No acaso do ocaso impassível

O happy end é ilusão
Ou é feliz ou finda
Pela evanescência é que a vida é linda
E não pela indecência da vã solidão

 Na serenidade de ser feliz
A única perenidade é ser um eterno aprendiz

ATEU POETA
20/10/2012

sábado, 6 de outubro de 2012

JOGADORA



JOGADORA

Vida: jogo ou magia?
Maestria em teu corpo de utopias
O mundo ficou nu
Lábios que escondem verdades

Frenesi de mocidade nesses olhos de maré
Força de mulher que encanta com destreza
Fortaleza de frialdade ou surfar em Malibu?
Fator artificial fere vários artifícios

Variável fractal do inanimado dito morto
Porto para outro estado de matéria em frágil ofício
Parto: sinfonia magnética fragmentária
Pó de estrela, carbono e fusão, sem secretária

Explosão para o caos da Via Láctea 
Razão sideral de todos os paradoxos arbitrários 

AROLDO FILHO
06/10/2012

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

ECO


ECO

Quem sua época cativa
É capaz de primas façanhas
Corrobora esperança participativa
Constrói aliança nas entranhas da aurora

Neve estranha em Aquiraz
Consolida fantasia de outrora
Forja a paz por outro prisma
Estende o horizonte que não entende

Visionário vira líder de carisma
Cria vulcões em geleira e solapa monte
Propaga seu sonho na mente da algibeira
Move o mundo de vagar a seu favor

No vigor que o eco divaga
O ego divulga e comove o Queronte

AROLDO FILHO
Pacoti-2012

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

CRIPTA



CRIPTA

É a literatura que poetiza a vida
O mundo fica mais surreal do que deveria
Na fantasia sobrepujamos as dores
Sendo autores de nossa própria estrutura

Nada faz sonhar tanto
Canto que nos faz viajar
Em mil mares a pena se consagra
Herói de mil sagas

Arsene e Odisseu
Sigurd e Orfeu
Chorando a morte de Eurídice
Ou dominando o templo de Zeus

A tudo no transubstancia a letra bem escrita
Livro é leve cripta de evolução mental

AROLDO FILHO
HISTORIADOR, Jornalista Independente, Blogueiro e Poeta.

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

NOTAS DO CAOS


NOTAS DO CAOS

Tua poesia não vale a metade da lágrima
Vidraça fria que se propaga na escuridão
O insumo do teu diafragma são mentiras tresloucadas
Notas insanas de caos e destruição

Quanto mais bela a arte, mais enganosa
Veneno de cobra na dobra da rosa
Espinho de asa na brasa do trovão
Magma em erupção destrói campos e casas

Vidas se perdem no fogo cruel
Um pedaço do céu caiu na sacada
Cavalo de tróia, um negro corsel
Esgrima na crima da  da cúmulo-nimbos

Espada enfiada na rima e no vento
Ilusão é alento de quem não tem noção

AROLDO FILHO

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

POETAS EM MARESIA


POETAS EM MARESIA

Sacrifício é o vício do herói
Amargo ofício que corrói
Mói a vida sem guarida
Via na mais completa escuridão

Porão, cova e alcova
Tudo no sabre se renova
Supernova de pólvora
O sol em teus olhos é trova

Guria, és prova do trovão
O mundo em tuas mãos muda de categoria
Parágrafo ágrafo que apavora e contagia
O dilema sempre me guia, salvar a si mesmo ou à poesia?

Que será do Ceará ao fim do dia?
Maré de musas, poetas em maresia

AROLDO FILHO
17/08/2012

ANJOS E DEMÔNIOS


ANJOS E DEMÔNIOS

Teu beijo é portal onde anjos e demônios pecam
No altar da razão mnemônica
Perdi a direção astronômica do que deveria pensar
Um penar universal sem limite

Eros e Afrodite vieram nos visitar
Quando Psiquê apaixonou o deus incubido de lhe matar
E divindade foi dada à mortal
Bilhões perderam a noção do real

Agora o surreal predomina
Quero o tesouro de minas do teu olhar
Num abraço duradouro o frio da solidão me esquece
No instante em que o efêmero aquece à lua azul

Tua boca é blue, jazz e violino 
Teu corpo é porto e refrão do meu hino 

AROLDO FILHO
16/09/2012

TRAGÉDIA GREGA


TRAGÉDIA GREGA

Não tenho tempo para tuas gregas tragédias
Em tua leve imaginação fugaz
Nem dou cartaz às macabras comédias
Fazer a média não será eficaz

Romantismo barato não me faz a cabeça
Não me importa teu às na manga
Quiromancia nunca me pôs rédeas
Cada um manda na própria jornada

A estrada aberta leva a vários caminhos
Há mil espinhos em cada highway
Mas sei que também existe carinho
Nunca estará sozinho quem tiver amigos de verdade

Músicas, livros e a poesia da serra
Zeus que fique com suas guerras

AROLDO FILHO
10/09/2012

RED BULL


RED BULL

Red Bull não me deu asas de cera 
Nem Coca-Cola explica a minha geração
La belle de jour não curte blue
Seus olhos azuis nem se apaixonam

Mas derretem qualquer coração 
Minha guitarra quebrou ao som de Scorpions
Perdi a escala harmônica
Desencontrei a prima-donna

Mônica nem Madonna nenhuma apareceu
O azul do céu retrocedeu na voz de Carla Bruni
Será patriotismo um quartel?
Ou o mundo que é um grande cartel de grades astronômicas?

Depois do capitalismo qual o sistema que virá?
Quem viver verá a nova caverna de Platão?

AROLDO FILHO
10/09/2012

MORTE AO ESCORPIÃO



MORTE AO ESCORPIÃO


O poder da inveja não substitui a criação
O cabo da espada leva paz ao porão
O portão da guerra está aberto
Gladiador sem rumo certo mata escorpião



Não pode ser herói quem não tem coração
Chantagem e superstição se encerra no maciço
Cortiço nunca foi mansão

Viva a serra do Evaristo


Capoeira quilombola
Minha tribo foi embora
Qual a sua direção?
Toda erva daninha deve ser arrancada



A História errada sempre flutua
Mas a raiz da verdade continua arraigada



AROLDO FILHO
18/09/2012



CHUVA DE CANIVETE



Sua cara de susto não me assusta
Nem choro com suas lágrimas de crocodilo
Do Brasil ao rio Nilo sempre houve ludibriador
Mas quem pensa não tem senhor



E tem horror a quem plagia
Não me encanta o seu canto de agonia
A euforia brinda ao seu terror
O céu não está a seu favor



Hoje é dia de chover canivete
No seu riso de pivete jogo sete tempestades
Sei que a insanidade lhe corrói
Por que a verdade dói até no couro mais duro



Mesmo em dia de festa se atesta a ganância
Ingratidão e arrogância são o seu porto seguro



AROLDO FILHO
18/09/2012



ANTIVÍRUS



Um antídoto para todo parasita há de ser criado
Antivírus instalado
Restaurar sistema
Da estalagem às galáxias o hidrogênio reverbera



Poesia é a minha primavera
O que é vero deve ser cultivado
Vaidade é um frágil camafeu
Dilema da mocidade



O lobo de Loki anuncia o fim do mundo
Prenúncio no lirismo de Orfeu
Luta sem troféu não vale o brio da mortalha
Nem véu da canção mais rara livra do quartel



A liberdade do poeta mora nos livros
Lá é que vivo os aforismos de Gardel



AROLDO FILHO
18/09/2012



VAMPIROS DE SOL



Cuidado com o inimigo à espreita
De onde menos se espera surge a navalha
Nem todo aquele à tua direita estará contigo sempre
A esquerda também é falha



Vampiros de sol atiram fogo pela boca
Hoje os lobos usam anzol
Caçam ao meio-dia
A luz da lua é mito



Cada grito e uivo ecoa
A caça vira algoz
Com mosquete feroz em punho
Não há dente que pare a espada



Nem lã que dê eterno abrigo
O orgulho ferido fomenta a armada



AROLDO FILHO
18/09/2012



PARASITA



O deserto do peito é um vácuo necessário
Chega a ser hilário esse evento rarefeito
Leito de veludo para espantalho é desperdício
Atalho para vão sacrifício



O defeito é ócio do ofício
Tão arisco o cão que era dócil
A fera fere a mão do dono
O abandono tomou seu lugar



Civilização é uma selva artificial
Lar também é relva
Todo mundo quer voar
O problema é o parasita grudar na asa



Parada para profilaxia
Nada de ânsia inesperada



AROLDO FILHO
18/09/2012



ESCURIDÃO ETERNA



Nas pedras do caminho fiz morada
Em cada jornada me perdi
Esqueço a estrada para ver constelações
Quem conta estrelas nunca estará sozinho



O universo é linda aquarela
Orquestra sem maestro nem prima-donna
A pluma canta à foz da ribalta
Com sua alta voz soprano



Chopin ao piano sublima a vida
Saio da caverna para ver o arrebol
Mas o nascer do sol também é ilusão
Que Platão não filosofou



Com o fatalismo de Nietzsche
Por mais que clareie, um dia voltaremos à eterna escuridão



AROLDO FILHO
18/09/2012
Ateu Poeta, O Historiador de Pacoti. Tema Simples. Tecnologia do Blogger.