quarta-feira, 9 de outubro de 2013

DE ARES A GARDEL


 DE ARES A GARDEL

As grandes profecias da vida
Aferidas pelas frias feridas que se vão
Quem sabe, a existência
Seja torpe penitência de um alcorão

Saliência de uma donzela no vulcão
Vulcano nu na solitária
Sísifo com sua pedra por mortalha
Sob a navalha dos cruéis

Coronéis do iluminismo
Déspotas em paisagismo
Passando a perna na lei do céu
É tudo quartel, bordel ou dinares

Torpes ares
De Ares a Gardel

Ateu Poeta
O QUESTIONADOR

09/10/2013
Ateu Poeta, O Historiador de Pacoti. Tema Simples. Tecnologia do Blogger.