sexta-feira, 11 de abril de 2014

TREVAS, TROVAS E TROVÕES

TREVAS, TROVAS E TROVÕES

Quando tudo é vão
O meu coração vê razão de cantar
Cada nota acelera
Porque meu peito-quimera

 Enxerga na escuridão
Propulsão para além
Universo afora
Cavalgando dragão

O violão não espera por ninguém
A música chama
Com chama de musa
Que clama e proclama

Enquanto o céu reclama em tristes trevas
Minhas trovas são trovões

Ateu Poeta

11/04/2014
Ateu Poeta, O Historiador de Pacoti. Tema Simples. Tecnologia do Blogger.