terça-feira, 21 de outubro de 2014

CATRINE

CATRINE

O que é igual cansa até na cama
Miragem de maminoramas
Múltiplos mutantes, nenhum jasmim 
Mil variantes de mim

O mundo não é virtuoso e virtual
Universo de hologramas da caverna digital
Vinte e duas gramas no sinal espectral 
Paralaxe fractal de fliperamas

Desejo é o doce beijo do vazio
Num dia frio sonhando com o mar
Tiro de fuzil no estio 
Promessa e pressa de poder amar

Catrine, nem tudo está na vitrine
Desafie o destino. Não desafine

Ateu Poeta
21/10/2014
Ateu Poeta, O Historiador de Pacoti. Tema Simples. Tecnologia do Blogger.