Temer na cadeia Aécio na cadeia

Temer na cadeia Aécio na cadeia
Copiem e colem em seus perfis

segunda-feira, 28 de julho de 2014

COMPLETA CONTRADIÇÃO


COMPLETA CONTRADIÇÃO

Você é o vazio do meu coração
O refrão desta canção
Toda a minha contra-mão
Luar, magia e sedução

Razão sem direção
O dia na escuridão
Saudade que invade alçapão
Corrói a condição

E me deixa flechado sem madeixa em mão
Porque a vida voa em vão
Destino: Desafino; desatino, então
Completa contradição

Até a rima se foi na boca do desamar
Na maresia daquele olhos que não me verão jamais

Ateu Poeta

PALCO E RIBALTA

PALCO E RIBALTA

Quando quebrou o meu violão
Lembrei que nãogostava da minha voz
Mas pegava na minha mão
Meu amor, não cante mais

Hoje não sou capaz de lhe escutar
Desafino em cordas afinadas
Para novas alvoradas
Serenatas ao luar

O lobo voltou a uivar
E sonhar com outros planetas
Jogo bobo de ilustrar
Palco, ribalta e maçaneta

Caneta, canaleta na labuta
Porque todo filho da pátria vai à luta

Ateu Poeta

FARELOS DE GALÁXIAS

FARELO DE GALÁXIAS

Não, não achei seu vagão
E o trem partiu
Agora o que partiu
Foi meu coração

Não. Nem acredito que foi por um triz
Nada que fiz faria elo
Só sobrou cicatriz
Dessa vida meretriz

Que torna tudo em duelo
No bolso farelos de galáxias
Fogem da Via-Láctea
Para outra ama-de-leite

Que talvez se deleite em completa ilusão
Nas plêiades e pulsares de outra canção

Ateu Poeta

O PIANISTA


Meu piano não fez planos de te amar
Mas, aconteceu, sei lá por que 
E o dia parecia fenecer se sumias
Ou a noite prosperar e florescer

Se surgias com girassóis de aquarela
Na lapela eu punha o Sol
Para o arrebol do teu olhar
Consagrar para mim um sorriso salutar

Mas, nada de sagrado havia
Então, desafinado, o instrumento decaía
E minhas mãos trêmulas de cafeína
Não podiam mais tocar senão esquemas

Em mesas de bar, Bach esqueci
Assinei a ruína que escrevi

Ateu Poeta

sexta-feira, 18 de julho de 2014

OUTRA


Nesse mar só me afoguei
Agora eu quero a crista da onda
Já me apaixonei
Tanto que nem sei
(refrão)

Quem nada quer surfar
Se a vida é esse jogo
Um dia é perder
No outro ganhar
(refrão)

Nada parará
Pará, Paraíba, Paraná
Acre, Amazônia, Amapá
Bahia, Brasília ou Ceará

ô, coração, procure outra, outra para amar

Outra para amar,outra para amar (repete 3x)

Ateu Poeta
18/07/2014

quarta-feira, 16 de julho de 2014

NÚMEROS

NÚMEROS 

Na escola trocaram nossos nomes por números
hoje eles dominam nossa vida inteira
Viram senhor
A quem devemos servidão

Peso, conta, manequim
Telefone, placa, chapa
Quando foi a derradeira?
A quantos por hora?

Qual a dose dessa droga?
Quanto sobra?
Cadê o elevador
Qual o andar, senhor?

A quantidade já supera a qualidade
E até mesmo a fraternidade

Ateu Poeta
15/07/2014

terça-feira, 15 de julho de 2014

EU CANTAVA COM A LEGIÃO

EU CANTAVA COM A LEGIÃO

Essa noite eu conheci você
Afinei o meu violão
Nem pude acreditar
Mas toquei de coração
(refrão)

Renato, você me dizia
Siga em frente
Porque tem vocação
E pediu outra canção
(refrão)

Mas, daí eu acordei, enfim
Vi que era impossível e tal
Nada tinha acontecido
Voltei para a minha vida banal

refrão: 
Eu cantava com a Legião
Eu cantava com a Legião 
(repete 3x)

Ateu Poeta
15/07/2014

ADEUS SEM DESPEDIDA

ADEUS SEM DESPEDIDA

Você arrancou meu coração
Depois jogou fora
Tudo não passava de ilusão
Por isso eu fui embora

Morri mil vezes pra tentar renascer
Mas foi tudo em vão
Rede de mentiras e armadilhas
Caos e armação

Maçã na estrada
Está podre ou comida
É continuar a jornada
Um adeus sem despedida

O violão é minha espada
Cantar a minha vida

Ateu Poeta
15/05/2014

segunda-feira, 14 de julho de 2014

INSACIÁVEL


http://ateupoeta.blogspot.com.br/2014/07/insaciavel.html
INSACIÁVEL 

O mundo é regido por números não leis
Caça: a sede que não sacia
Seria a compulsão a perdição dos reis
Em que todo homem se vicia?

Por que esse ser é destruidor
E tão artificial
Não se adapta ao seu redor
E faz tudo ser banal

Mata a quem diz amar
Derruba mata
Polui mar
Suja o ar quer respira

Depois pira para restaurar
O que não tem solução?

Ateu Poeta
14/07/2014

sábado, 12 de julho de 2014

RIOS DE SANGUE


Não, não quero nada
Porque já não sinto
Nem sei se é verdade ou minto
Ou se a vida é uma fachada

Mito, noite, jornada
Nada me agrada nos jornais
Só morte, bombas e granadas
Rezam para um deus-dará

Saúde, Neymar
Mas minha pátria não é futebol
Como é triste partir no arrebol
Quanta criança dilacerada

Tantas guerras nessa Terra
Rios de sangue sob o sol

Ateu Poeta
12/07/2014

sexta-feira, 11 de julho de 2014

OCASO VERMELHO



Poesia: sinfonia
Ápice e alicerce
Prazer e nostalgia
Ser em sinestesia

Alice e Epicuro
Religião e ateísmo
Noite e dia
Fúria de vulcão

Furacão e calmaria
Paz, jazz, jamais
Margarida jogada aos porcos
Flor amarela que não se rende

Vermelho ocaso no azul do mar
Universo científico que transcende

Ateu Poeta
11/07/2014

quinta-feira, 10 de julho de 2014

ETERNO VAZIO


No dia em que não escrevo
Um eterno vazio em meu coração
Toma conta de tudo
Por isso não me atrevo

A perder esse frevo
Vínculo que me salva da solidão 
Se poeta é o que sou
Não voo sem plumas

Arriscando-me a não ser
A poesia não fenece
Mesmo que o mundo caia
E se estenda a mortalha mais sangrenta

Ela sempre virá
Radiante ou lenta

Ateu Poeta
10/07/2014

terça-feira, 8 de julho de 2014

VOCÊ NÃO SABE DE NADA


http://ateupoeta.blogspot.com.br/2014/07/voce-nao-sabe-de-nada.html 
VOCÊ NÃO SABE DE NADA

Sua mulher se faz de santa, mas é muito atraente
Anda toda empinadinha e é toda pra frente
Diz que faz academia, mas vai pro portão da frente
Com você é muito fria, mas é muito carente
(refrão)

Até roda a bolsinha e sai com o tenente
E jura que é santinha porque já virou crente
E seu amigo decente rouba até o Satanás
E você acha que aqui se paga o que se faz
(refrão)

Você ainda faz fita de inteligente
Pensando que sabe mais que muita gente
Mas é ó um arrogante qualquer
Não sabe nem da sua mulher

refrão: 
Você não sabe de nada (3x)
"Sabe de nada, inocente"(2x) [biz]

Ateu Poeta
10/07/2014

segunda-feira, 7 de julho de 2014

O CARNAVAL

O CARNAVAL

Todo dia a mesma coisa
A mesma coisa todo dia
Sempre te vejo, Maria
Sempre te vejo, Maria

Todo dia tudo igual
Até parece ritual
Eita, que vida banal!
Eita, que vida banal!

O vício é o escape desse desastre astral
Enquanto tudo vai mal
Enquanto tudo vai mal
E esse tédio vem sem remédio tal

Mas, já chegou o carnaval
Mas, já chegou o carnaval

Ateu Poeta
07/07/2014

LÁ MUSIQUÊ


Música é a musa suprema
Banhada em alfazema mais fina
Com adrenalina nua, extrema, sensual
Faz ritual na lua

Penetra o olho cego dos teus ouvidos
E o outro dos teus ossos
Relembra, então, os dias sofridos
Olvida teu ego e dilacera

Narciso não tem tez, voz, vez
Três vezes negarás porque és pedra
Que o muro de Epicuro não ceda
Ao edro da modernidade leviana

Seda se rasga na cama
Mas o mundo não vive sem ela

Ateu Poeta
07/07/2014 



sábado, 5 de julho de 2014

ARMAS E PÃES

ARMAS E PÃES

Não é novidade que Deus não existe
Já era sabido dez mil anos atrás
Por que você ainda insiste?
Essa mentira aqui jaz
(refrão)

Perdem a vida pela ideia incrível
De um homem invisível que nada faz
Incitando alcoolismo em crianças
Na velha dança do quem morre mais
(refrão)

Mergulhados em missão suicida
São mil guerras sem razão
Destruindo tudo sobre a Terra
Criam mais armas do que pão

refrão:
O tal "religare" não liga ninguém
É só conversa fiada e corrupção

Ateu Poeta
05/07/2014

SORTE SAFADA


Se  o amor for essa dor
Que vá para o inferno
Faz do verão inverno
Etcétera e tal 
(refrão)

Com suas flores do mal
Amálgama da desertificação
Terremoto, furacão, erupção
Teorema que destrói o coração
(refrão)

A cabeça já não pensa de amargurada
A mente fica demente e cansada
A vida não é um conto de fadas
Morte e liberdade moram na estrada

refrão:
A sorte é uma moça safada
Que arrasta tudo para o meio do nada (3x)

Ateu Poeta
05/07/2014

quinta-feira, 3 de julho de 2014

SOL SEM CALOR

SOL SEM CALOR

Pacoti, Pacoti
Sem ti não me sinto feliz
Como águia sem asa
Criança sem casa

Sou árvore sem raiz
Cor sem matiz
Condoreiro sem amor
Poeta sem musa

Poe sem terror
Gelo em brasa
Sol sem calor
Paulo Coelho sem plagiar

Renato Russo sem cantar
Golfinho fora do mar

Ateu Poeta
3/06/2014

quarta-feira, 2 de julho de 2014

LOBO DA NOITE



LOBO DA NOITE
Branco lobo da noite
De olhos azuis
Quando a vida é açoite
Sob o encontro da luz
(refrão)

Traçar o próprio caminho
É o que se traduz
Em cada espinho
Alga e alcaçuz 
(refrão)

Estou sempre a uivar
É na lua que miro
O encanto do mar
É meu retiro

refrão:
Desejo é deserto, desatino
Sigo incerto, sem destino (bis)

Ateu Poeta
30/06/2014

terça-feira, 1 de julho de 2014

VERSOS ARDENTES

VERSOS ARDENTES

Quando o meu amor se foi
A minha vida parecia acabar
Deserto no meio do mar
Uma saudade que corrói
(refrão)

Só dor e insanidade
É o que batia neste peito
Era meu leito a necessidade
De saber que nada é perfeito
(refrão)

Os versos mais ardentes
Queimaram meu coração
A verdade parecia ilusão
Uma canção sem refrão

refrão:
 O Seu sorriso deixou
Esse universo decadente (3x)

Ateu Poeta
01/07/2014