sábado, 17 de janeiro de 2015

O ANDARILHO

O ANDARILHO

Se me perguntares 
Os lugares onde andei
Tantos lares que nem sei
De aprendiz me fiz sensei 

Canto para kant
O meu futuro é delirante
Privo-me de pensar e apenas vivo
Meus passos não são largos na madrugada

Porque os pés pertencem à estrada
Pedaços e percalços deixados para trás
Descalço, na chuva, no sol, no caos e no cais
Em pleno seio do arrebol

Visão voltada para o alto
Pássaros passam a quilômetros do asfalto

Ateu Poeta
17/01/2014
Ateu Poeta, O Historiador de Pacoti. Tema Simples. Tecnologia do Blogger.