segunda-feira, 20 de julho de 2015

EU SOU A ISCA

Orta orgânica
Canônica órbita da obturação
Canção de operação obtusa
Têmpora da destemperança

Temporal atemporal
Matéria espectral
Filamentos de fissuras
Não importa se está sol

Pois o anzol que arrasta para o arrebol
Fura com fúria 
E fere a minha boca
A religião se apropria dos erros aforísticos da Filosofia

Para disseminar o caos pelo mundo 
Numa esfera fria de fantasias terroristas

Ateu Poeta
2015

domingo, 19 de julho de 2015

TIGRE OU LOBO?

Se pudesse escolher
Não sei se seria 
Tigre
Ou
Lobo 
Ao meio-dia

Ateu Poeta
20/07/2015

DISPAROS DÍSPARES

DISPAROS DÍSPARES

Dispares
 Díspares olhares
Em minha direção
Que eu morro

No seio do morro
Na mesma canção
Que vulcão
Peço socorro a Adão

No refrão
Existe alguma maçã no jardim
 Querubim?
Já nem sei se cheguei ao meu fim

Tampouco ao começo
De arremesso
Não meço palavras de gesso
Adereço

Não lembro do teu endereço
Reconheço
O desejo vem
E me vira do avesso

Enfim, sem saída
Entendo tão pouco de mim
E dessa vida
Nem mesmo encontrei a guarida

Na lida
Nem lembro se sei dizer sim
Só de ida
Estrada ditada não deve ser lida

Ateu Poeta
19/07/2015

VAI MATAR OUTRO, CORAÇÃO!

Já deu!
Mata outro de paixão
Não eu!
Ateu Poeta
19/07/2015

FALSAS SIMETRIAS

FALSAS SIMETRIAS

Perfeição não é beleza, mas eficiência
Nos perdemos em falsas simetrias
Que sangram muito o coração
Fogo fugaz, feroz
Átrio atroz
Paixão!
Tudo explode
Corpo, campo capenga
Compostos químicos da corrosão

Ateu Poeta
19/07/2015

quinta-feira, 16 de julho de 2015

LÁ FORA

LÁ FORA

Lá fora
A cada hora
A arcádia canta
A primavera se aprimora

Viciado
Cego ser seviciado
Espartanos esparsos
Paço de quimeras

Noir espaço sideral
Na junkebox da esquina
Tocam trôpegas conjecturas de Noel
Neve cobrindo a serra de cristal

Sem saber sangrar serpente, sabre e sal
Aurora se esconde por trás de todo esse vendaval

Ateu Poeta
16/07/2015

CORAÇÃO DE GELO

CORAÇÃO DE GELO 

Meu coração é de gelo porque você o fez sangrar
 Tentei atravessar o mar, mas naufraguei
 Em mil noites em claro me perdi
Dez mil anos depois me encontrei
 Mas, já é tudo vazio
O tempo é fugaz neste estio 
 Somente a poesia me faz prosperar 
Ateu Poeta
 13/07/2015

PENSAMENTO SOBRE CONFLITO

Sempre que estão em paz os homens inventam conflitos, por pura vontade de lutar. Porque amam a guerra mais que a própria vida.
Ateu Poeta
2015

segunda-feira, 13 de julho de 2015

NARCISO RENASCIDO

http://ateupoeta.blogspot.com.br/2015/07/narciso-renascido.html
NARCISO RENASCIDO

Sempre a mesma corja
Cidade da insanidade
Pedaço de carne jogada aos leões
A corrupção impera perfeita

Com pão, circo e rojões
E quem diria que Narciso sabia nadar?
Tio Patinhas renascido das cinzas
Viver para ver se isso vai prosperar

A justiça se rende no fim
É pescada na rede de quem paga mais
O bom mágico preserva seu às
Mistério que se desfaz

A nobre coroa do império
É posta na cabeça de Barrabás

Ateu Poeta
13/07/2015

domingo, 12 de julho de 2015

PENSAMENTO SOBRE A VIDA E O MUNDO

Quanto mais a vida passa contumaz o mundo morde
Ateu Poeta
13/07/2015

Sem a loucura para impedir os que se dizem sãos este mundo já seria um vão profundo


12/07/2015

Apenas o movimento é infinito, matéria e espaço não
O problema é que gostamos dos mitos bonitos da transubstanciação


12/07/2015



E se o universo fosse uma bolha ambulante que apenas muda de forma, onde nós somos morfemas ínfimos, seres carboníferos numa esfera ocasional que tomaram entendimento sobre si e sobre o resto mas que não sabem como canta a kantiana espiral?

12/07/015


Tudo está disforme. 
A própria forma é ilusão dos acordes sob a forma da antimúsica astral.





12/07/015


A lei quebra o acalanto dos rituais


12/07/2015



Toda casa cairá para que outra se levante
Mesmo Kant morrerá para que Nietzsche vire Dante



Ateu Poeta


 08/07/2015

PENSAMENTO DE PAIXÃO

Ateu Poeta

CASSINO

CASSINO

Para o político de palha
Que tem cara-de-pau
A vida não é mais que um cassino
Apenas um show de ladrões

Brasília é uma quadrilha
O povo dança e eles formam
O samba de grande carnaval
Boêmios canalhas, fanfarrões

Fazendo farra às nossa custas
E controlando a mente de massa
Porque são donos das grandes mídias
Dos tele-comunicações

O cabresto da Rede Globo
Algumas revistas da Abril
Jornais de São Paulo
E de todo o Brasil
  
Montaram um grande cartel
Pensam que cada prédio público é motel
Apostadores, que querem ir para o Céu
Mas, financiam o grande fuzil

Quem apoia a ditadura uma vez
Adora tudo o que é vil
Não basta ter dinheiro
Tem que ser um rio

Grande máfia de Al Capone
Tubarões de gravata
Bravata de escorpiões
Amargo cálice da serenata

Tudo é valsa e estopim
Champagne de encontros sem fim
O futuro do país no estio
No estilo mais varonil

Glória golpista
A pista está cheia
Gangue e cadeia
Grandes equilibristas

A corda bamba centeia
Muitos estão amarrados
Presos pelo rabo
Devoram mundos inteiros

Ateu Poeta
12/07/2015

sexta-feira, 10 de julho de 2015

CÉU AURICULAR

CÉU AURICULAR

Espero para sempre ir morar
No seio auricolor do seu céu auricular
Poesia é sinestesia e síntese do complexo
Quero de você todo ósculo e amplexo, côncavo e convexo

Cada verso meu flui para a simbiose do seu mar
Quem sabe, um dia, naufragar
No abismo do seu universo ocular
O sabre do samurai se semeia na bainha

A noite no dia, o colibri na flor
O rei não é nada sem a sua rainha
Pássaro arteiro preso na gaiola atroz
Sob o frio e feroz açoite do dissabor

Qualquer horizonte vira fonte de quimeras e Queronte 
Sem as asas transbordantes do condor

Ateu Poeta
10/07/015

quinta-feira, 9 de julho de 2015

PENSAMENTO SOBRE VOAR

O homem se faz pássaro em passos para além do possível
Que perfuram poemas e abismos
Procurando aforismos 
Que viram saltos mortais

Ateu Poeta
2015

BIG BUG

BIG BUG

Tétricos detritos
Delírios transversais
Transtornos travam
Traves triviais

Trevas atrevidas
Tangentes torrenciais
Trovões em trovas
Três tigres tortos 

Travam trotes torturantes
Trotsky, trago trigo
Tanto faz
Tartarugas tristes do Tártaro

Trastes de translucidez transubstanciais
O futuro ficou para trás
Faz barulho na era que jaz
O modernismo é um abismo sem fim

No seio da civilização
A mentira é um vulcão de atritos
Que destrói toda a sanidade
Transforma tudo em ilusão

Palhaços e salteadores
Não conhecem as dores do mundo
E seus profundos dissabores
Nem sempre dá para esquivar

Da briga de lobistas e lobos
O que manda mais que a manta 
É o poder de fogo
A crise capital atônita atira no Euro

Montada no tônico cavalo helênico de Troia
Grilaram a Alemanha do Pará
Prédios milionários explodirão 
Os cofres da Fazenda, Brasil

O salário diminui
Flui para outras mãos
Aumenta o usocapião
Animais mortos na rodovia

Black out big bang buga bolsa
Cem mil desabrigados em Gaza, capitão
Palestina e Israel jamais tombarão
Porque a fé come de tudo

É bactéria, vírus e tubarão
 Muda mentes mudas
Produzindo dementes, barão
Até na mais torpe prisão

Ateu Poeta
10/07/2015

PENSAMENTO SOBRE FAMA E QUALIDADE

http://ateupoeta.blogspot.com.br/2015/07/pensamento-sobre-fama-e-qualidade.html Hoje, o que vende é a fama efêmera. Enquanto a tâmara da qualidade é lançada à lama


Ateu Poeta​
2015

quarta-feira, 8 de julho de 2015

OLHO DE TANDERA

OLHO DE TANDERA

O carbono canta para a morte
Na petulância de mais um embrião
Consorte de quatro ligações
Desafia e desata até o Destino

No desatino do escorpião
Forjou-se no seio do sol
Seu semblante é uma contradição
Pois, matou a imortalidade

Quando à vida deu criação
Fusão fenomenal
Esfera atômica descomunal
Não se importa com demônios ou deuses

Não tem Eleusis em nenhum portal
Sua ponte pode até ser provisória provisão de cristal
Mas, é sem igual
Gerando D.N.A. direto do fervor radial

Molécula sideral
Não interessa que Thanátos, Hades e Ares
Formem forte trilogia do mal
Todos os atos serão derrubados

Pelo eclipse da elipse transacional
Somos todos filhos da Noite
Do açoite, da dor e do Caos
Seguindo sem louvor

Não devemos nada a Zeus ou Alá
Prometeus, Genival ou Jeová
Não foi Lúcifer quem portou a luz
Nenhuma cruz sangrou para o amanhecer

Se amanhã o mundo acabar
Não será por pecados ilógicos
Mostrados em mapas astrológicos
Profetas não proferem a cabeça de Zagreus

Preferem ferir a verdade
Marionetizar os pobres plebeus
Chamar um samaritano de bom
Não muda o tom do massacre que aconteceu

Sacrifícios de fogosas fogueiras
Por São Patrício Ipárcia morreu
Quem enforcou as bruxas de Salém
Não foi Posseidom

Tristes brumas de Avalon
Mãe de Kepler e Jordano Bruno
Assassinados por falsas razões
Guilhotina tosca que guilhotinou Guillotin

Desferiu sua lâmina sádico-dantesca
Sem nenhum burbom e com todo frenesi
No pescoço inocente de Lavoisier
Cientista cintilante a florir

A floresta da fúria nunca fenecerá
A miséria é a maldição do progresso
Focado no cárcere capital da acumulação
A culpa é sempre dos comunistas

Porque o fascismo já virou jargão
Nazismo é o grito de guerra
Do terror da submissão
Tudo é missão do Estado

Não vemos onde iremos parar
Em ideias que só trazem regresso
O congresso é operação Cadmus dos camundongos
Que fomenta a fome da guerra
  
Estamos sempre a antecipar precedentes sem par
Para a destruição a Terra
A civilização é o crime e a corrosão do ser em multiplicação
Não torce para nenhum time

Nem lucrará com o que irá cometer
Qual será a verdadeira evolução?
Canção que só canta quimeras
Sentimos saudade do que já era

Efeito doppler no sabre do saber
Dobra os três olhos de Hórus sobre a fera
Faísca tanto que alitera
A literária Fênix serpenteia chamando Tandera

Ateu Poeta
08/07/2015

PENSAMENTO SOBRE CAPITALISMO

http://ateupoeta.blogspot.com.br/2015/07/pensamento-sobre-capitalismo.html
O capitalismo é o a  sua própria crise, vampiro e fluidez

Ateu Poeta
2015

terça-feira, 7 de julho de 2015

AFORISMOS DE FRENESI

AFORISMOS DE FRISSON E FRENESI

Torcedores sempre têm opositores
A vaidade nos leva além
Não dá pra ser um homem que provém
 Sem meditação 

E sem nenhum vintém
É na calmaria que as verdades vêm
A maioria se inebria com a ilusão
Por medo da aflição 

E para passar bem
Sempre que se vai um amigo
A vida perde o sentido
Que já não tem

Se tudo for a ferro e fogo
Não haverá jogo
Com mais ninguém
Caos é o furor

Feito de faltas e fissuras
Por isso é tão grande
O amor do ódio pela loucura
O som do frisson ultrapassa o sabor da usura

Ateu Poeta
07/07/015

segunda-feira, 6 de julho de 2015

VERSOS SÃO VITRAIS

VERSOS SÃO VITRAIS

Estou pelo avesso
Versos são vitrais
Flores do jamais
Os teus adereços

Não são litorais
As constelações
Lançam laços astrais
Sem recomeço

Qual teu endereço?
Quais teus ideais?
O que sonhaste antes?
Estantes estatais

Inferno de Dante
Tristezas transversais
Transformam fortalezas
Em montes de sais

Estátuas que nunca olham para trás
Porque a Medusa já criou um deus
Que mata e cura
Tortura plebeus
  
Proíbe sem ternura
Mas já cometeu
Descomunal usura
Pobre Prometeus

Propenso à criaturas
A que nunca pertenceu
Por roubar de Zeus
O fogo sagrado

Veneno destilado
Entre as escrituras
Em tábuas de pedra
Só com numerais

Onde florescem tribais
Estruturas banais
Tétricas tabernas
Tolas, triviais

Tristes quimeras
Destroem o Olimpo
Que nunca existiu
No dia mais limpo

De um grande estio
Estilo sem estilista
Matrix sem New
Newspapers sem papel

Soldado sem quartel
Solda sem soldar
Comando militar
Sem o seu coronel

Sem dizer adeus
O amigo partiu
O meu coração
Já virou canção

Gangorra e funil
Quem dera agora
Minha, senhora
Fosse primeiro de abril

Ateu Poeta
06/07/2015

AURORA DA SOLIDÃO

AURORA DA SOLIDÃO

Meus olhos são mares de ardência
Na cadência do sangue e do sal
Já nem sei quem sou
O que se deu

O que aconteceu?
A vida acabou
Amigo
Abrigo

Serás sempre um brilho
Nos estribilhos do meu coração
Que por ora virou vácuo
Na aurora da solidão

Talvez, um dia, volte a bater
Com a altivez de outrora
Quem dera não houvesse ocaso
Fosse tudo arrebol

Mas, a morte tem esse anzol macabro
Que  dará cabo de todos nós
Nós profundos
Que jamais desatam

Os versos desandam
Devaneios desacatam
O universo deságua
A verdade é dura feito noz

Lança que atravessa
Voz que vira pelo avesso
Inverso da foz
Feroz noite de inverno

Frio que não sara
Com nenhum cobertor
Ferida que estraçalha
Letras do dissabor

Primavera que não vem
Poema inacabado
Poética sem lirismo
Poeta esgotado

Ateu Poeta
06/07/2015
Ateu Poeta, O Historiador de Pacoti. Tema Simples. Tecnologia do Blogger.