segunda-feira, 10 de outubro de 2016

A CAVERNA DA DESNATURALIZAÇÃO

A CAVERNA DA DESNATURALIZAÇÃO

Tudo o que é natural ainda é transformado
Em pecado
O homem é um animal tolo
Muito mais que desnaturado

Ensina-se a sofrer
Vive para ter dor
Para não querer o que é preciso
E aprende a depender do impreciso

Somos a espécie do vício
É isso o que nos mantém
Porque sabemos que a vida é um abismo
E isso convence mas não nos convém

Não aprendemos a viver bem
Poucos são sábios por si
Que se ensinam a ter prazer
Aprendem a resistir

E sabem de fato viver
Eu sou desnaturalizado
Meu grande mestre é a televisão
Seguido de perto por livros

E amigos, virtuais ou não
Aprendi a ler sozinho
Detectei a minha falta de atenção
O meu nível de alerta só não é maior

Que a própria meditação
Antes de ser ateu
Decidi esperimentar
Para destruir os pesadelos

Que o cristianismo conseguira implantar
Foi preciso muita auto-análise
Muita concentração
É complicado lutar sozinho

Leitura foi a medicação
A crise copérnica faz parte de mim
É culpa da evolução
Alguns nascem assim

Mas, a vida ainda é em vão
O pior é ter supersentidos
Vivendo neste mundo caos
Onde a anestesia é abrigo

Principalmente a intelectual
Ser superlativo
É passar por mentiroso
E ser banido do ritual

Ser intelectual
Não é mais que ser teimoso
Saber a fraude do “universo-astral”
É muito perigoso

Estamos todos na matriz
Na caverna, engaiolados
Amarrados feito perdiz
Somos condores engalinhados

Porque o fascismo é a religião
Que manda na política
Holística, olhística, neolítica
Produzindo alienação

A maçonaria dás as cartas do jogo
Grita com euforia na Globo
Mas não controla quem irá vencer
Mesmo com a ira do lobo

Porque alguns têm o poder
Da desalienação
Alienar-se é muito fácil
Difícil é a reversão

A maioria segue o caminho
Que a irá abater
Ir para o abate é rápido
Lenta é a contramão

Porque nos ferraram
O caminho da sofreguidão
A miséria não é natural
É a própria desnaturalização

Ainda não aprendemos o conceito
Da desterritorialização
Não sabemos viver em paz
Ainda amamos a guerra

Porque no fundo não somos mais
Que meros homens da caverna
A caverna manda no mundo
Ela inventou Adão

Veja cada país
Em auto-deteriorização
Não saber votar
É suicídio coletivo

E não saber lutar
É ser para sempre
Um escravo
Um cativo

Ateu Poeta

11/10/2016
Ateu Poeta, O Historiador de Pacoti. Tema Simples. Tecnologia do Blogger.