domingo, 16 de outubro de 2016

SOBRE PEDRAS E VENTOS

SOBRE PEDRAS E VENTOS

Desmerecer tuas dores
Não te dará poder
Mas quem não tem conhecimento de causa
Arranja pausa

Cria falsos argumentos
Para o fazer
Não, não é o melhor caminho
Jogar espinhos para te perfurar

A coroa deles ainda é uma imbecilidade
A arbitrariedade é um redemoinho
Nem tudo é questão de colarinho
Não adianta querer cura para o que não tem

O desdém não faz criar asas
Sair de casa e dizer amém
Só aumenta o trem
Eterna monstruosidade

A ociosidade às vezes faz bem
Em que outro momento se cria belas-artes?
Que faz parte do que todos
Querem bem

Mesmo se dizendo completamente brutais
Até as pedras sofrem com o distúrbio dos ventos
Nem tudo o tempo irá sanar
Porque mesmo ele é só abstração

Uma apropriação humana
Para fazer do universo
Verso, reverso, diverso
E mucama

Mas ele não é dama de ninguém
E sim xadrez de si mesmo
Complexo, auto-reflexo, anexo
Sujeito individual e sem nexo

Ateu Poeta
16/10/2016
Ateu Poeta, O Historiador de Pacoti. Tema Simples. Tecnologia do Blogger.