quinta-feira, 30 de março de 2017

FLOR OPALA

FLOR OPALA

Na madrugada somos água
Desde que a Vespertina era menina
O destino desatina
E a mágoa deságua em revolução

Todo vulcão se converte em cinzas
Quando as ligações desligam
E todo o universo cala
Em teus versos subversos

Fina flor de opala
Que estala o coração mais adverso
Na garganta desentala o grito
Sob o rito de uma estrela rara

Ateu Poeta
30/03/2017
Ateu Poeta, O Historiador de Pacoti. Tema Simples. Tecnologia do Blogger.