quinta-feira, 6 de junho de 2019

VULCÃO INTERGALÁCTICO

VULCÃO INTERGALÁCTICO

Os versos me escrevem
Descrevem
O que 
Nem quero
Saber
Sangram
Dores
Que fascinam
Sanidades me deliram
Dilaceram
E assassinam
O semblante
Do não-ser
São eles que me trazem
De volta 
Do abismo
Que habita em mim
Quando o escuro
Da caverna
Acorda
Carmesim
E o mundo
Amorna
A solidão
A saudade
Em flor
Aflora
O vulcão
Intergaláctico
No universo 
Paraláctico 
A Via Láctea 
É o meu jardim

Ateu Poeta
06/06/2019